Denise Stutz

Durante muitos anos a bailarina e coreógrafa Denise Stutz trabalhou sozinha na sala de ensaio. Um grande contraste para quem fundou o Grupo Corpo e compôs a cia. Lia Rodrigues de Danças. Neste processo solitário, diante da necessidade do olhar de fora da cena, distanciado, Denise usava uma filmadora para gravar seus ensaios e depois assistí-los. Bailarina, coreógrafa e primeira espectadora de si mesma, Denise se dirigiu por longos anos fazendo intenso uso do vídeo, mesmo que seus trabalhos finais não trouxessem qualquer vestígio desta tecnologia. O resultado foi uma rara interlocução entre corpo, imagem e palavra que produziu obras seminais como “Três Solos e um Tempo,” apresentada mundialmente. Da maestria desta interlocução, propusemos a Denise uma investigação mais profunda à materialidade do vídeo, que agora surje não só como um espelho estendido no tempo, mas como suporte de exibição de sua obra. Já de partida nos comove que uma artista que reaproveitava as fitas gravadas para registrar novos ensaios, e que portanto se utilizou desta tecnologia tanto como registro quanto como apagamento, proponha agora um vídeo entitulado “Até que você me esqueça.”
Translate »